Turma da Mônica em Braille

Editora Globo, Mauricio de Sousa e Fundação Dorina Nowill se unem para lançamento da Turma da Mônica em Braile

Turma da Mônica em Braille

Editora Globo, Mauricio de Sousa e Fundação Dorina Nowill se unem para
lançamento.
Mauricio de Sousa e Dorina Nowill
Editora Globo, Mauricio de Sousa e Fundação Dorina Nowill se unem para
lançamento
Mais uma vez, a Editora Globo aposta na força dos personagens das
histórias em quadrinhos como instrumento de inclusão social. A novidade,
que será lançada durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, é a
Coleção Conheça a Turma, que apresenta os personagens da Turma da Mônica
em braille. A intenção é permitir que crianças cegas e com baixa visão
também possam conhecer o maravilhoso universo criado por Mauricio de
Sousa.
Todo o trabalho foi realizado em parceria com a Fundação Dorina Nowill
para Cegos, uma referência na educação de deficientes visuais, que
atesta a originalidade e a qualidade da Coleção. Inclusive, a personagem
cega Dorinha, que estreou na Turma da Mônica em 2004, foi uma homenagem
de Mauricio de Sousa à fundadora da instituição, a professora Dorina
Nowill, que perdeu a visão quando jovem, estudou em São Paulo e se
especializou nos Estados Unidos para ajudar pessoas com o mesmo
problema.
"Esta parceria vem concretizar um trabalho cultural e pedagógico
realizado pela Fundação Dorina Nowill há mais de meio século, ampliando
os horizontes do sonho e da alegria das crianças deficientes visuais",
enfatizou Dorina Nowill.
Segundo dados do último censo do IBGE, de 2000, no Brasil 16,5 milhões
de pessoas possuem alguma deficiência visual; cerca de 2,4 milhões
apresentam dificuldade permanente de enxergar e aproximadamente 160 mil
são totalmente cegas.
Os dois primeiros livros - de uma série de 20 - são Oi, eu sou a Mônica
e Oi, eu sou o Cebolinha . Ambos foram escritos por Yara Maura numa
linguagem simples e divertida, com a preocupação de apresentar os
personagens. Para isso, haverá sempre uma página contando as coisas que
eles mais gostam de fazer, suas travessuras, brincadeiras e seus
melhores amigos, seguida de outra com desenhos em braille (com os
contornos tracejados ou pontilhados em alto relevo). Assim, as crianças
poderão identificar, pelo tato, quem é quem. Na capa das edições haverá
também um selo da Dorinha, criado por Mauricio de Sousa, para
identificar os livros em Braille. Os livros serão distribuídos pela
Editora Globo e estarão a venda nas livrarias.
Outro diferencial desta Coleção é a aposta no conceito do livro
inteligente. As páginas das edições apresentam letras grandes e cores
diferenciadas para atingir também crianças com baixa visão - que possuem
um resíduo visual e necessitam de recursos especiais para a leitura.
A adaptação, contudo, vai muito além da simples transcrição do conteúdo
em pontos. As histórias, originalmente publicadas em 2004, tiveram a
tipologia refeita e as imagens totalmente reestruturadas. Os locais em
que haviam tons sombreados, por exemplo, passaram a ter cores chapadas,
para facilitar a visualização de quem tem baixa visão.
E tudo foi feito com o auxílio de uma equipe de consultores (deficientes
visuais), para garantir que as ilustrações e o texto fossem adaptados de
maneira correta.
"Há tempos vinha pensando em incluir personagens com deficiência nas
minhas histórias. Seria uma forma de sugerir inclusão e, ao mesmo tempo,
mostrar diversidade. Eu já tinha o Humberto, que não fala. Mas era
pouco. Daí comecei a estudar junto a diversas instituições para cegos
como tratar o assunto de forma adequada, atualizada, sem perigo de
passar algum tipo de preconceito. E de minhas observações a partir de
estudos em Goiânia (na Biblioteca Braille José Alvares de Azevedo), em
algumas pequenas cidades do interior do país e, finalmente, da
proximidade com Dorina Dowill e seu instituto, nasceu a simpática e
sabida Dorinha. Hoje uma personagem vitoriosa junto à Turma da Mônica,
ao lado do cadeirante Luca, nascido com o mesmo propósito", informou
Mauricio de Sousa.
Segundo Lucia Machado, diretora da Unidade de Negócios Infantis, "os
personagens da Turma da Mônica são ferramentas ideais para ajudar na
maior integração das crianças com deficiências visuais à sociedade".
Em seus quadrinhos, Mauricio de Sousa mostra que crianças com
deficiências devem viver a infância em sua plenitude. E agora, elas
também vão poder se divertir com Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali e
companhia.
Ficha Técnica:

Tamanho: 21 x 27 cm
Estrutura: 4 capas + 20 páginas de miolo
Capa: cartão 250g
Miolo: offset 120 g
Target: 5 a 8 anos

Preço: R$ 15,00


Sobre a Fundação Dorina Nowill para Cegos

A Fundação Dorina Nowill foi Instituída em 1946 com o objetivo de
favorecer a inclusão social de crianças, jovens e adultos cegos ou com
baixa visão por meio de ações educativas e culturais. A iniciativa de
criar a Fundação foi da professora Dorina de Gouvêa Nowill.


A Fundação atua na produção de livros em braille e falados. Oferece
programas de atendimento especializado ao deficiente visual e sua
família, que inclui programas de avaliação, diagnóstico, intervenção
precoce, educação especial, reabilitação e colocação profissional do
deficiente visual. No último ano, a organização imprimiu mais de 13
milhões de páginas em braille, produziu mais de 7 mil exemplares de
livros e revistas faladas e realizou 21 mil atendimentos. Esses livros
são distribuídos gratuitamente para mais de 900 organizações em todo o
país.

Mauricio de Sousa e Dorina Nowill

Nucleo de Informação a pessoa com deficiência

Nenhum comentário: